Circo

Certa vez, em um novo ambiente de trabalho, coloquei meu nome e telefone no quadro de avisos para que todos os colegas pudessem anotá-lo e entrar em contato comigo quando necessário. Foi incrível como rapidamente surgiram palavras abaixo da informação. Tudo por causa do bom humor e criatividade do pessoal.

Não é piada! São duas das melhores oficinas que conheço com uma das melhores pessoas que já vi. Não é porque ele é meu tio, meu pai, meu mestre, que digo uma das melhores pessoas. O cara é bom mesmo!

Minha caixa de e-mails grita comigo todos os dias, de tanto que abusam dela, com divulgações, notícias, spams... e ultimamente grita por causa do tanto de divulgações de eventos que eu não consigo entender como é que alguém deixou que tal coisa fosse enviada.

Vou expor algumas situações em forma de exemplos e o que resta de comentário, vai mais ao final.

Situação 1:

Fiquei na maior dúvida se isso é um time de basquete ou um grupo circense. Comente com sua opinião.

Na verdade o título pode ter uma variação, trocando "der" por "derem". Fica até mais apropriado para o que aconteceu durante todo o trabalho em Brasília, na TEIA 2008. Mas prefiro deixar assim, por causa do duplo sentido.

Imagine: Fazer funcionar, além de organizar, uma programação de seis dias de apresentações artísticas, debates, reuniões, palestras e intervenções envolvendo aproximadamente mil e quinhentas pessoas, dando hospedagem, comida, transporte e roupa lavada (esse último é exageiro) para todas elas, precisando ficar "em cima" para tudo acontecer na hora que tem de acontecer. Não é moleza. Se não puder contar com uma equipe altamente capaz e confiável, o bicho pega. Melhor, o bicho pega de qualquer jeito em um evento desse porte. Não dá pra ser diferente.