Produção Cultural

E , personas! Beleza? Beleza...

Então! Recebi por email esse texto, que fala de um assunto muito importante: O destino da cultura no Brasil. Faltam poucos dias para encerrar as inscrições para delegados dos fóruns nacionais setoriais e ainda  muito mais vagas do que inscritos.

Assim, se você é profissional do meio cultural, não deixe de participar. Segue um apelo, por Rodrigo Robleño:

Quem está acompanhando a série e viu o #1, vai entender perfeitamente o que direi agora: Como é que vou num evento divulgado com um flyer tão informativo como esse?

Preciso corrigir uma coisa: No outro post eu disse que as divulgações sempre chegam de pessoas, geralmente artistas e produtores. Me enganei e peço desculpas. Acho que por causa do grande volume de e-mails, algumas coisas passam despercebidas aos olhos apressados.

Situação explicada, gerou até uma nova série. Para me redimir, deixo um bom exemplo de como não se deve fazer uma divulgação:

Minha caixa de e-mails grita comigo todos os dias, de tanto que abusam dela, com divulgações, notícias, spams... e ultimamente grita por causa do tanto de divulgações de eventos que eu não consigo entender como é que alguém deixou que tal coisa fosse enviada.

Vou expor algumas situações em forma de exemplos e o que resta de comentário, vai mais ao final.

Situação 1:

Para o pessoal das Minas Gerais, ainda é tempo.

Inscrições até 20 de março. Este Edital tem por objetivo apoiar, por meio de repasse de recursos financeiros do Programa Mais Cultura - Pontos de Cultura, projetos de instituições da sociedade civil sem fins lucrativos, de caráter cultural, ou com histórico de atividades culturais; instituições que atuem na produção artístico-cultural há pelo menos dois anos, contribuindo para a inclusão social, a construção da cidadania, seja através da geração de emprego e renda, seja por meio de ações de fortalecimento das identidades culturais.

Saiba tudo neste link aqui.

Fiz questão de deixar igual de onde foi retirado. Artigo de Carlos Henrique Machado Freitas publicado no site Cultura e Mercado.

Na verdade o título pode ter uma variação, trocando "der" por "derem". Fica até mais apropriado para o que aconteceu durante todo o trabalho em Brasília, na TEIA 2008. Mas prefiro deixar assim, por causa do duplo sentido.

Imagine: Fazer funcionar, além de organizar, uma programação de seis dias de apresentações artísticas, debates, reuniões, palestras e intervenções envolvendo aproximadamente mil e quinhentas pessoas, dando hospedagem, comida, transporte e roupa lavada (esse último é exageiro) para todas elas, precisando ficar "em cima" para tudo acontecer na hora que tem de acontecer. Não é moleza. Se não puder contar com uma equipe altamente capaz e confiável, o bicho pega. Melhor, o bicho pega de qualquer jeito em um evento desse porte. Não dá pra ser diferente.